Como atingir a maturidade digital leva empresas a lucrarem mais e gastarem menos

Atualizado: 16 de Mai de 2019

Tendo como base o mercado europeu, empresas que avançam até um estágio de plena maturidade digital podem atingir um aumento de 20% nas receitas e uma redução de até 30% nos custos.


Para melhor compreender a dinâmica de empresas brasileiras no cenário digital, uma parceria entre o Google e o Boston Consulting Group (BCG), uma empresa global de consultoria de gestão e líder em estratégia de negócios, realizou um estudo inédito sobre o nível de familiaridade e maturidade destas companhias com estratégias digitais, em especial no campo do marketing data-driven.


Apesar da terminologia, marketing data-driven é um conceito simples, definido pela tomada de decisões com base em informações e tendências identificadas pelos dados gerados por uma empresa ou pelo mercado. O marketing digital não é novidade no Brasil, mas os investimentos feitos nacionalmente ainda são tímidos. Existem imensas oportunidades inexploradas no mercado digital, de altíssima lucratividade e alcance.

Dados apontam que no Brasil as pessoas são muito receptivas a anúncios digitais qualificados, especialmente quando são de temas do seu interesse. Então qual é o motivo para não se investir mais? Parte da resposta está na falta de maturidade das organizações de marketing, que não estão 100% preparadas para ações digitais eficientes.

70% das companhias que participaram do estudo dizem que a coordenação entre seu marketing e os demais times não é boa.


O estudo ainda levantou claros desafios a serem superados pelas companhias brasileiras. Entre eles, expandir a integração e a interligação de informações, a automatização e a personalização de processos e uma profunda e qualificada compreensão dos dados relacionados a seus clientes, os serviços e produtos oferecidos e ao mercado de forma geral.


Quais caminhos podem ser adotados em direção à desejada maturidade no espaço virtual?Para a viabilizar esta condição, os autores do estudo do Google/BCG definem algumas posturas a serem adotadas: 


1) Conectar dados


2) Adoção de processos automatizados e personalizados internamente e no trato com consumidores


3) Métricas acionáveis que identifiquem o valor das ações das pessoas ao longo do processo de compra


4) Fazer parcerias estratégicas, buscando uma colaboração entre empresa, agências e provedores de tecnologias


5) Desenvolver competências estratégicas


6) Criar a cultura do “testar e aprender, falhar rápido”, buscando ciclos mais curtos de planejamento e execução de projetos


A compreensão profunda das particularidades do espaço digital e adoção de estratégias baseadas no estudo de dados e comportamentos é essencial para o sucesso de marcas e profissionais nesta nova dinâmica. Principalmente para o mercado de arquitetura e interiores, que passa por essa gradual transição, ainda muito ligado à mídias analógicas. Existe uma oportunidade única de crescimento e otimização do trabalho para arquitetos, designers, especificadores e marcas. É preciso saber aproveitá-la.

0 visualização
  • YouTube - Círculo Branco
  • Facebook - Círculo Branco
  • Vimeo - Círculo Branco
  • LinkedIn - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle
©Augusto Custodio Produções Cinematográficas LTDA.
Todo o conteúdo do site é de uso exclusivo da marca Augusto CustodioProibido reprodução e utilização sem autorização sob penalidades das leis brasileiras e internacionais.